cuide-SE

Fatos dos últimos dias fizeram o rio de perguntas, que tem como fonte minha cabeça, ganhar novos apetrechos e entulhos, mas também nova disposição para organizá-lo e devolvê-lo sua normal fluência e quem sabe acrescentar-lhe mais cristalinidade em suas águas, depois de um longo processo, que tem como uma de suas inicitaivas este texto que escrevo neste singular momento!

Obs.:O páragrafo anterior ilustra bem a confusão que me arremata!!

Semana passada, um conhecido veio queixar-se a mim de seus problemas. Ora… problemas todos temos!! Eu já tenho 23 anos de idade e as minhas espinhas da adolescência ainda me acompanham. Você provavelmente também tem os seus: pode ser que odeie ter que esperar o ônibus, e o seu problema seja não ter o dinheiro pra comprar um carro… ou o dinheiro para abastecê-lo. Ou sei lá… sua esposa é um pé no saco e você prefere a vizinha gostosa que nem te dá bola.
Mas, voltando ao meu conhecido, ele veio relatar-me que lhe incomodava o fato de não ter um carro, nem uma esposa, nem uma casa. E que um dia desses, estava dormindo na calçada de um restaurante abraçado a sua companheira, uma cadelinha vira-lata cuja qual não sei o nome, quando sua identificação tão grande com tal animal foi quebrado por um pensamento que invadiu-lhe a mente e dois sentimentos que dilaceraram-lhe o coração: ciúmes e inveja.
Exatamente, pensou ele, que grande traidora foi aquela única que demonstrara sua fidelidade em seus dias ruins. Pois enquanto estava ele a cuidar de sua amiga “fiel”, dedicando atenção e carinhos, a mesma estava a roubar a cena e o olhar dos passantes e frequentadores do local, chamando pra si toda a atenção e deixando o meu conhecido, praticamente invisível. Mas a traição fora ainda maior. A cachorra da cadela tinha objetivos maiores com tudo isso, pois sabia ela que apagando seu cuidador da vista dos transeuntes, seria ela quem receberia toda a comida e dessa forma não precisaria dividir, como fazia o tal conhecido meu.
Ah mente ardilosa!! Seus planos foram um sucesso!!
Carnes assadas e suculentas eram colocadas em um prato a sua frente. E ela sem importar-se se o “amigo” tinha fome, comia tudo as pressas, pois sua mente maquiavélica já tinha aprendido que um prato cheio não permitia que novas gostosuras lhe fossem apresentadas.
E meu conhecido ficava lá… olhando e babando… e com fome.
Disse-me: “Tô com nojo do ser humano, que dá comida pro cachorro e não tem coragem de perguntar se eu, um ser humano, tô com fome.”.
Eu logo vi porque este rapaz tinha sido trapaceado por um cachorro. Nem consegue ver que a culpa é da “coitada” da cadela, que é ótima atriz e tem uma mente capaz de tão grande maquinação.
Mas, nem disse isso a ele, sabe? Pois é, cada um com seus problemas! Eu tô com aquela história das espinhas ainda, e você querendo comprar um carro… e nessa correria dos dias de hoje a gente não tem tempo nem de dar comida pros bichinhos que criamos em casa, quanto mais pros da rua, né?
É isso mesmo. O texto serve pra você ficar alerta: cuidado com os bichos da rua, viu? Fazem cada coisa pra ter o que comer… a dessa história ainda usou a inteligência, mas tem uns que roubam e matam.
cuide-SE!!

Anúncios

5 Comentários »

  1. leticia Said:

    tá… antes de ler. eu confesso que a primeira reação que tive foi a de rir.
    após a leitura volto a fazer um comentário mais coerente…

  2. leticia Said:

    após a leitura do texto:

    Caramba teteu!

    tipo, não só pelo conteudo, mas pela propria estética do texto, pela organização das ideias e pela narração agradável o texto tá ótimo. Tipo, não é cansativo e pareceu estar tão próximo o problema , a situação que realmente vale a pena ler duas ou três vezes.

    Este texto é tão humano. Acho que é isso que aproxima o leitor do texto pq ele trata de coisas em relação ao nosso cotidiano, a coisas tão corriqueiras, mas que se n nos dermos conta acabamos por naturazliar questões que não deveriam ser naturais como a miséria, o desemprego e a deseigualdade.

    Brilhantemente escrito.

    Acho que o melhor texto que você já escreve até hoje.

    força amigo, companheiro que tanto admiro!

  3. Bem, os nosso bichinhos estão sempre famintos. MAs, muitos de nós nem se dao conta que tal bichinho vive bem aki,dentro de nós. NÃo há nenhum outro alimento a não ser a consciência. E além das epifanias e co-relacionados, não existe outra forma de alcançar tal alimento se não pela meditação, que não precisa ser a de buda, de monges em seus monastérios, mas o estado de alerta, de atenção e compreensão da importância de cada momento, que cada um deles é único e perfeito.
    Perfeito, assim como este texto que retrata com sarcasmo a nossa falta de consciência. Mostra que estamos tão focados em nossas próprias histórias que nem nos damos conta do que está ao nosso redor. E cuidem-se, sempre há algo acontecendo.

    PARABËNS irmão, seu texto estãs super , hiper ultra big mega giga critico e tudo isso de bom tambem. A Era dos Girassois. Amo vc, bju me liga!! Muita Luz!!
    namastê.

  4. Oi, esqueci também de mencionar a ironia =p hehe. Nomeei a foto de cachohomem e tem a variação de bichomem.=D xauxixa

  5. leticia Said:

    ei, vamos atualizar este blog né?
    se não eu nem venho mais por aqui!


{ RSS feed for comments on this post} · { TrackBack URI }

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: