Archive for setembro, 2009

“A briga”

simbioseA vida é sempre assim
Não sei se estou no outro ou se o outro está em mim
E por mais que seja sempre
Uma história sem ter fim
No final estou em todos
E todos eles “tão” em mim

E sempre “abriga” pela posse
O simbionte e a simbiose
Dissolvendo-se um no outro
Cada dia cresce a dose
Cada vez mais homegênea
Sem cessar metamorfose

Nesse jogo de procura
Quem vencer recebe a cura
Torna-se um ser por inteiro
Põe-se fim a tal tortura
Ganha direito de escolha
À sanidade ou à loucura.

Narciso

NarcisoLeva meu nome a mais bela flor

Nascida do misto de êxtase e dor

No ato em que no lago de espelho me vi

Pela própria beleza encantei-me e morri

Em todas as faces que já contemplei

Buscava a mim mesmo, mas nunca encontrei

Por todas as belas eu fui desejado

Mas, minha imagem quem trouxe-me o desejo, o pecado

Quando penetro em teus olhos deixando-te inerte

São pra mim dois espelhos que o mais belo reflete

Não me há culpa alguma se nasci por Narciso

Mas seus olhos, de espelho, é do que eu preciso