Archive for maio, 2009

Teus olhos…

Brilhantes estrelas da mais pura luzolhos2

Luz que excita, orienta, acalma e seduz

Portais que ao teu universo conduz

Em teu rosto de altar… são quem te traduz

Anúncios

Tua Voz

Eu e DeusOuço tua voz no mais estrondoso silêncio

Voz, que de inigualável suavidade, torna as águas de meu Oceano, revoltas e caudalosas

Voz que transpassa levemente por meus Bosques, produzindo a mais bela sinfonia, tocada pelas belas árvores e o chacoalhar de suas folhas

Voz que parece vir do mais distante ponto do universo, ao mesmo instante em que flui do meu próprio coração

Voz que me convida a outros mundos, outros lugares que transbordam Beleza e reina a mais pura Paz

Voz que me conduz a mim mesmo e revela meu Real Ser: Teu Filho, igual em Imagem e Semelhança.

A Grande Orquestra

UniversoA vida é mesmo um grande mistério. Seus caminhos, mudanças, escolhas e fases.

E como tudo isso se comporta, sincroniza, sintoniza, acontece e se cruza, só me leva a acreditar mais e mais na Grande Inteligência Suprema, que tudo rege com a mais incrível Sabedoria, causando em meu Ser a sensação de ouvir uma perfeita sinfonia silenciosa tocada por músicos de diversos tipos: seres humanos, animais, a bela natureza, planetas e estrelas, formando a mais bela de todas as melodias: o Amor.

O suficente…

Jesus e o UniversoE basta uma única estrela no céu para que eu tenha a certeza de tua existência

E basta um único raio de sol para a esperança de renovação palpitar em meu coração

E basta a minguante para atrair à minha mente pensamentos de amor e de união

E basta o horizonte para a convicção da eternidade

E basta fechar os olhos para enxergar a Verdade.

Vidas…

Templo da LuaEncontrava-se finalmente de frente a pirâmide. Bastou fechar os olhos e um desejar sincero, para que a porta abrisse dando-lhe a oportunidade de estudar seus mistérios. A noite de um azul bem escuro, parecia um imenso corte de tecido estampado de estrelas prateadas e bem brilhantes. Olhou-o para despedir-se e sentiu o vento gelado do deserto em seu rosto, como quem dizia para entrar, pois não havia muito tempo. Pronunciou uma palavra desconhecida por ele mesmo e o imenso corredor iluminou-se de repente.

Ao caminhar por entre os símbolos e hieróglifos, sentiu sua alma como dividida: metade era como uma criança eufórica ao aventurar-se por novas rotas, ao descobrir um novo mundo; a outra, possuía  serenidade, seriedade e maturidade nunca antes experimentadas por ele, e lhe parecia que nem uma vida de 200 anos lhe proporcionaria tal amadurecimento.

Chegou até uma câmara toda ornamentada com textos formados por símbolos e desenhos. Ao passar seus olhos por eles, tinha a vaga sensação de compreendê-los como se estivessem escritos em sua língua natal.

Aproveitou cada segundo no local e percebeu que já era a hora de partir, pois ainda faltava-lhe fazer uma visita. Num simples gesto com os pés e um querer verdadeiro, começou a flutuar e saiu pela mesma porta que entrou.

Voou em direção as nuvens, e entre elas avistou uma grande estrutura que lembrava-lhe um grande templo. No meio do breu da noite, cada pedaço das colunas daquele santuário, parecia provido de uma singela luz própria.

Mais uma vez uma palavra desconehcida foi pronunciada, como se sua boca tivesse vida. Suas roupas, então, transformaram-se em uma túnica de um escuro azul-marinho e assim como a noite, possuía estrelas que pareciam mover-se com seu brilho. Estranhou o acontecimento, mas olhou em volta e viu que todos os presentes trajavam-se com o mesmo estilo.

Andou pelo templo e admirou o ir e vir de pessoas tão bonitas, que pareciam ser envolvidas por uma luz natural,estudando e conversando sobre o Criador, a Criação e os mistérios que os envolvem.

Vieram lampejos em sua mente de um lugar diferente, completamente alheio àquele em que se encontrava. Deu-se conta de que aquela não era a realidade e que seu mundo era diferente. Viu-se em um um quarto e percebeu que tudo não passara de um sonho… ou de uma linda viagem. Levantou-se e seguiu com a vida  a qual pertencia, na certeza de que não era a única que possuía.

Do Meio a Meia

sol e luaÉ como a força do sol e o encanto da lua

É como o corpo vestido e a alma nua

É como tua vida ser minha e a minha, ser tua

É como estar em casa ao sair pra rua

É como o sol ao meio dia e à meia noite… a lua.

Lê Lua

lua1Sua presença por mim é esperada
Um ciclo de quase um mês pra te ver iluminada
Se me vês ao entardecer no sol poente
É uma vida, esperar teus olhos, no coração de quem te sente

Mas mesmo no seu ir e vir
No seu trabalho de embalar o mar
Fico feliz quando te vejo
Basta a minguante e posso enfim viajar

Mas felicidade completa é a que sinto
Quando te vejo no meio de nós
Quando vens, guardas  luz num sorriso
Luz que alimenta e inspira os sóis

Se no fim do dia vou indo
Há lugares que não são aqui
Não penses que estou fugindo
É só o momento de dar brilho a ti

Se a brisa me leva enquanto caminho
Isso não eh de se admirar
Mas trazer os mares como manto
Está aí um tal encanto
Que sol nenhum pode imitar…

Aprendi…z

meninas aprendizesAprendi que o mundo pode parecer grande, mas maior que ele é o universo que carrego dentro de mim

Aprendi que viajar é bom, e que o melhor combustível é realmente o amor pelo próximo, porque com esse somos capazes de ir até as estrelas

Aprendi que a melhor companhia pra uma viagem é alguém de mente aberta e sem “pré-conceitos”, porque estes formam verdadeiras paredes nos labirintos por onde passamos, impedindo de enxergarmos o que realmente está à nossa frente

Aprendi que ainda existem castelos e florestas, magia e encanto, beleza e harmonia, só que estão bem escondidos no íntimo de nossa alma, onde a cobiça, o orgulho e a inveja não conseguem alcançar

Aprendi que a bonança sempre vem após a tempestade como haviam prometido, então aprendi que há pessoas de palavra e que realmente sabem do que estão falando

Aprendi que amar sem limites é bom e que se decepcionar é ruim, mas aprendi também que já decepcionei muitas vezes e que ainda tantas outras isto pode acontecer

Aprendi que há muito mais que do que nossos olhos podem ver

Aprendi que é fato a existência de Deus, e que o maior sacrifício que podemos oferecer é o do trabalho interno e do auto-aperfeiçoamento

Aprendi que a vida tem muita coisa a ensinar, por isso a melhor posição diante dela é a de aprendiz…

 

                                                                 Teteu

Próprias Palavras

Escrever á toa, deixar que fluam as palavras. Sem organizar as idéias, ou os sentimentos. Deixar que o próprio lápis ganhe vida e traduza aquilo que nem o “escritor” sabe definir. Deixar fluir! Sem pensar no conteúdo, na substância. E quando menos se espera as frases chegam…, se agregam e criam sua própria forma expressando o que ELAS querem falar. Ah! E quanta vontade elas têm! Parece que há tempos esperavam por este momento de pular para fora da caneta e grudarem-se no papel. Então pergunto: – O que querem tanto dizer, minhas caras amigas?

– Assim como você, querido escritor, queremos falar algo que nem todas nós  juntas, em um imenso livro ou dicionário, conseguiríamos explicar ou definir. Queriamos falar sobre o sentimento que encanta por sua dimensão, mas assombra por sua intensidade. Falar sobre o torpor inexplicável que sentem as mais sensíveis almas ao olhar para as estrelas. Que sentem os mais nobres corações ao contemplar a imensidão do mar. A sensação atemporal que sentem os espíritos mais elevados ao enxergar ao final do dia, o por do sol colorindo o céu com seus raios de luz, numa forma de dizer até amanhã. Falar do vazio de proporção universal nos corações dos que sentem a falta de um simples olhar de qualquer um de seus melhores amigos. Da enorme admiração que sentem os cheios de percepção, pelos que possuem mentes brilhantes, inteligentes… pelos homens corajosos e de atitudes corretas. Falar sobre as dimensões que são abertas quando ouve-se uma boa música.

E como podes ver, caro amigo que nos escreve, não há palavras em qualquer idoma que expliquem a vida e o viver. Mas muito grato pela oportunidade de tentarmos. Até a próxima e fique com Deus.

                                                                    Próprias Palavras